quinta-feira, 4 de março de 2021

"sua arte não é a quantidade de pessoas..." (Rupi Kaur)


sua arte
não é a quantidade de pessoas
que gostam do seu trabalho
sua arte 
é
o que seu coração acha do seu trabalho
o que sua alma acha do seu trabalho
é a honestidade
que você tem consigo
e você
nunca deve 
trocar honestidade
por identificação

- a todos vocês poetas jovens

(Rupi Kaur)

 

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

Live de lançamento do livro "O juvenicídio brasileiro: racismo, guerra às drogas e prisões", da Profa. Dra. Andréa Pires Rocha (UEL).

 (Clique na imagem para ampliá-la)

Para acessar a atividade, é só clicar aqui.

Homenagem à professora Débora David

 


... A gente sabe que a vida é curta, um sopro. Por vezes, uma estrada longa ou um piscar de olhos... Talvez a vida não tenha tamanho, mas histórias, memórias, sentimentos... Na vida, cada um tem o seu valor especial...

Essas são algumas reflexões que me surgem ao pensar na assistente social e docente Débora David, que nos deixou recentemente. Débora foi minha professora na PUC Minas: corajosa, responsável, comprometida com o Serviço Social, tanto na formação quanto na atuação. De suas aulas, ensinamentos que me acompanham até hoje, ficaram as discussões sobre o trabalho com grupos, o manejo e a escuta, a relação entre teoria e prática, seus relatos de experiência, que eram muitos...

A sua passagem contribui para a formação de vários assistentes sociais e a sua trajetória foi luz no caminho de muitos...

Com carinho, aos familiares e amigos!

terça-feira, 29 de dezembro de 2020

Publicações da revista Argumentum (Ufes)

 Olá, pessoal!

Socializo com vocês o artigo da Profa. Dra. Andrea Pires Rocha intitulado Segurança e Racismo como Pilares Sustentadores do Estado Burguês.

A convite de Andrea, foram elaborados outros dois textos interlocutores, um de Elaine Cristina Pimentel Costa: A Segurança Pública a partir de Lentes Interseccionais sobreRaça, Classe e Gênero e o outro, de minha autoria: Sujeitos Periféricos como Metáfora da Violência: Reflexõesa partir da Música O Bagulho é Doido, do Rapper MV Bill.

Os três trabalhos foram publicados na revista Argumentum, da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Registro aqui a minha estima e os agradecimentos às Profas. Andrea e Elaine pela oportunidade de compor essa tríade reflexiva.



sábado, 19 de dezembro de 2020

Porque o racismo existe - Vulgo Elemento


Porque o racismo existe

O racismo machuca, corta a pele, invade a nossa mente e causa perturbação...

Gente, isso não é coisa da nossa cabeça!

Ao contrário, o racismo parte da cabeça do sujeito racista, e nos atinge como uma flecha.

Às vezes, o corpo até arrepia, né?! Os olhos ficam marejados, dá vontade de chorar, né?!

Sabem por quê? Porque estamos falando das nossas raízes!

Somos povo, memória, glória... Somos ancestralizados e marcados pela história... Somos presente e lutamos por um mundo melhor.

Mas o racismo nos coloca como feios, burros, inúteis, preguiçosos, inferiores, incapazes, inexistentes, matáveis, doentes, invisíveis, mentirosos e desprezíveis...

Duvidam das nossas narrativas sobre o racismo, como se fôssemos culpados do racismo que sofremos: “A culpa é sua. Quem mandou ser preto?!”.

Não coloquem na minha conta, essa culpa. Não vou pedir desculpas.

Vejam esse caso: Jovem negro e periférico, ao sair de casa, diz:

- “Bênção, mãe! Tô saindo!”

A mãe, por sua vez, responde:

- “Meu filho! Pelo amor de Deus, volte vivo. Volte vivo, porque você é tudo o que eu tenho. Se eu te perder, eu me perco também.”

Falas de mãe mexem comigo. Voz de mãe preta é voz de África, e não podemos nunca nos esquecer disso.

Temos o direito e o desejo de sair sem morrer, de passar pelo outro, na mesma calçada, sem que o medo imponha desvios. De respirar sem sermos estrangulados e asfixiados, nas praças, nos supermercados e, até mesmo, dentro de casa.

Alimentemo-nos da chama da justiça e da felicidade, considerando uma simples e importante questão:

Se o racismo atua até pelo ar, de qual outra maneira, mais, poderá nos afetar?




 

segunda-feira, 7 de dezembro de 2020

Chamada: Prazer, Coringa!

 Contagem regressiva para o lançamento do Lyric Video: Prazer, Coringa!


(Clique na imagem para ampliá-la)




quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

Racismo Estrutural: enfrentamento transdisciplinar antirracista - Instituto Langage

 Racismo Estrutural: enfrentamento transdisciplinar antirracista - Instituto Langage

Apresentação do artigo Sobre a procura de um/a analista negro/a: psicanálise e relações étnico-raciais.

(Clique nas imagens para ampliá-las)






quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Personalidades Negras - Mulheres e Homens Negros Invisibilizados no Brasil

Socializando o resultado do edital 𝐏𝐞𝐫𝐬𝐨𝐧𝐚𝐥𝐢𝐝𝐚𝐝𝐞𝐬 𝐍𝐞𝐠𝐫𝐚𝐬 - 𝐌𝐮𝐥𝐡𝐞𝐫𝐞𝐬 𝐞 𝐇𝐨𝐦𝐞𝐧𝐬 𝐍𝐞𝐠𝐫𝐨𝐬 𝐈𝐧𝐯𝐢𝐬𝐢𝐛𝐢𝐥𝐢𝐳𝐚𝐝𝐨𝐬 𝐧𝐨 𝐁𝐫𝐚𝐬𝐢𝐥 – Selo Sueli Caneiro, editora Jandaíra, com curadoria de Djamila Ribeiro. 

E é com alegria que estou entre os/as autores/as cujos trabalhos foram selecionados. Agradeço aos organizadores do edital e, em especial, ao King Nino Brown por compartilhar sua história de vida e sua trajetória artística e militante para que eu pudesse escrever o artigo aprovado: 𝐃𝐨 𝐌𝐨𝐯𝐢𝐦𝐞𝐧𝐭𝐨 𝐒𝐨𝐮𝐥 à 𝐂𝐮𝐥𝐭𝐮𝐫𝐚 𝐇𝐢𝐩-𝐇𝐨𝐩: 𝐚 𝐭𝐫𝐚𝐣𝐞𝐭ó𝐫𝐢𝐚 𝐝𝐞 𝐊𝐢𝐧𝐠 𝐍𝐢𝐧𝐨 𝐁𝐫𝐨𝐰𝐧.⁣

(Clique nas imagens para ampliá-las)






quarta-feira, 25 de novembro de 2020

III Simpósio: Educação Popular, a construção e desenvolvimento de práticas educacionais (GAPAF - UNESP Franca/SP)

III Simpósio: Educação Popular, a construção e desenvolvimento de práticas educacionais, promovido pelo grupo de extensão Grupo de Alfabetização Paulo Freire (GAPAF), UNESP-Franca, SP

Conferência: "A arte como experiência sensível: cultura, educação e juventudes periféricas"

---

"[...] O palhaço para os jovens periféricos pode ser uma figura muito importante. Por quê? Muitas pessoas pensam que o palhaço para eles tem a ver (somente) com a criminalidade. Ao trabalhar com os jovens fui percebendo outras leituras: como a infância, como aqueles que nunca foram ao circo, como aqueles que recordam de um brinquedo que quebrou, como a referência do pai...”











III Simpósio: Educação Popular, a construção e desenvolvimento de práticas educacionais (GAPAF - UNESP Franca/SP)

III Simpósio: Educação Popular, a construção e desenvolvimento de práticas educacionais, promovido pelo grupo de extensão Grupo de Alfabetização Paulo Freire (GAPAF), UNESP Franca/SP.

Conferência intitulada "A arte como experiência sensível: cultura, educação e juventudes periféricas".





segunda-feira, 23 de novembro de 2020

III Simpósio: Educação Popular, a construção e desenvolvimento de práticas educacionais (GAPAF - UNESP Franca/SP)

III Simpósio: Educação Popular, a construção e desenvolvimento de práticas educacionais, promovido pelo grupo de extensão Grupo de Alfabetização Paulo Freire (GAPAF), UNESP Franca/SP.

No dia 25/11, das 08h às 08h45, ministrarei a Conferência intitulada "A arte como experiência sensível: cultura, educação e juventudes periféricas".

 (Clique nas imagens para ampliá-las)




sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Racismo Estrutural: enfrentamento transdisciplinar antirracista - Instituto Langage

Olá, pessoal.

Socializo o evento Racismo Estrutural: enfrentamento transdisciplinar antirracista - Instituto Langage.

Na ocasião, farei a apresentação do artigo Sobre a procura de um/a analista negro/a: psicanálise e relações étnico-raciais.

---

Como enfrentar algo que estrutura e permeia as relações, e que opera como um dispositivo de extermínio de uma grande parte da população? Dada a magnitude desta questão, tomamos a iniciativa de reunir um grupo diverso de atores sociais de vários campos para pensar juntos formas de enfrentamento que ultrapassam as barreiras disciplinares. Nossa proposição busca subverter a lógica estrutural do racismo que permeia as relações dos sujeitos com o seu entorno sócio-político, a ponto de se tornar estruturante para estes, e desnaturalizar o que foi historicamente construído por uma cultura colonizadora estruturada pela lógica da escravização e da branquitude. Somente com a construção de práticas antirracistas estruturais e estruturantes poderemos combatê-lo, como aquelas que sempre estiveram presentes nos movimentos de insurreição.

Dia 21 de novembro de 2020

Das 8h às 19h

Plataforma Zoom

Programação: Clique aqui

Inscrições: Clique aqui

quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Quarentena: memórias de um país confinado

Satisfação em participar da Antologia Quarentena: memórias de um país confinado com a poesia Coronavírus: o plano, pela editora Chiado.




sexta-feira, 18 de setembro de 2020

quarta-feira, 16 de setembro de 2020

Entre o trabalho e o cuidado

Entre o trabalho e o cuidado... Catharine é assim: chega de mansinho me chamando de pai, mô, iel... Logo me ganha...




terça-feira, 15 de setembro de 2020

O projeto de extensão Escuta Clínico-Política de Sujeitos em Situações Sociais Críticas e a roda de conversa sobre cultura Hip-Hop

Olá, pessoal.

Socializando o livro Juventudes e Contemporaneidade: Reflexões e Intervenções, de Jacqueline de Oliveira Moreira.

(Coleção - Coletivo Amarrações: Psicanálise e Políticas com Juventudes)

Foi um prazer participar da construção de um de seus capítulos intitulado O projeto de extensão Escuta Clínico-Política de Sujeitos em Situações Sociais Críticas e a roda de conversa sobre cultura Hip-Hop. 

Autores/as: Jaquelina Maria Imbrizi, Eduardo de Carvalho Martins, Marcela Garrido Reghin, Danielle Kepe de Souza Pinto e Daniel Péricles Arruda.

Clique AQUI para baixar.



terça-feira, 8 de setembro de 2020

Artigo - Lugar de Escuta: uma proposta metodológica para a mediação de conflito

Satisfação em construir mais essa parceria com Ricardo Vidal que culminou na elaboração do artigo Lugar de Escuta: uma proposta metodológica para a mediação de conflito, publicado na revista de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade de Guarulhos (UNG). 

Clique AQUI para baixar o artigo.

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

Artigo - O que é Genocídio?

Salve, pessoal. Compartilho com vocês o meu artigo intitulado O que é Genocídio, publicado na revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN).

Clique AQUI para baixar o artigo.

segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Imagens do Evento de Abertura do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Vivências Artísticas, Culturais e Periféricas

Salve, pessoal.

Socializo com vocês algumas imagens do Evento de Abertura do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Vivências Artísticas, Culturais e Periféricas, da UNIFESP, campus Baixada Santista.

Para discutir o tema da atividade, "Reflexões sobre a cultura hip-hop e as relações étnico-raciais", tivemos o prazer de contar com a presença de King Nino Brown e Ana Lúcia Silva Souza.

De fato, foi um momento especial, emocionante e de muito aprendizado.

...Assim, agradeço a todos/as pela presença!!!









quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Projeto Arte como Cuidado - UNIFESP/UEL

 Olá, pessoal! 

O projeto Arte como Cuidado, realizado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), campus Baixada Santista, em parceria com a Universidade Estadual de Londrina (UEL), chegou ao fim. Nos seis encontros quinzenais, realizados durante os meses de maio, junho e julho de 2020, a finalidade foi discutir a arte e o cuidado, em tempos de pandemia, a partir da trajetória artística dos/as seguintes convidados/as: Felipe Augusto (Bobina MC), Regina Elias da Costa (Ziza), Israel Neto (Mano Réu), Akotirene Sylla, Carão e Júnia Costa. A todos/as vocês, nossos agradecimentos pela disponibilidade e por dividirem conosco conhecimento e sensibilidade. 

Agradeço à Profa. Dra. Liana e ao Prof. Me. Wesley, ambos da UEL, pela parceria, trocas e diálogos, assim como a todos/as que acompanharam as discussões e ajudaram na divulgação. 

Para que todos possam apreciar, socializamos a playlist com os encontros promovidos pelo projeto. Clique AQUI para assistir.

terça-feira, 11 de agosto de 2020

O rap, a palavra e a escuta: aprendizados periféricos em um mundo desigual - Daniel Péricles Arruda (Vulgo Elemento)

 O rap, a palavra e a escuta: aprendizados periféricos em um mundo desigual

Daniel Péricles Arruda (Vulgo Elemento) 

Quando conheci a cultura hip-hop, me conheci. Quando comecei a cantar rap (rhythm and poetry/ritmo e poesia), me desenvolvi. E vivo assim, entre o rap, a palavra e a escuta. Uma tríade potente para refletir os aprendizados periféricos em um mundo desigual. Certo de que não é uma tarefa fácil falar sobre esse tema, mas o objetivo aqui é, poeticamente, expressar algumas vivências, lições e certos sentimentos que floresceram ao longo de anos de dedicação à cultura hip-hop, em especial, ao rap.

Vejam, sinto que é importante dizer que não sou um professor que canta rap; sou um rapper que decidiu construir um diálogo entre esses dois campos do conhecimento: a universidade e a rua... Não me sinto bem, sendo uma coisa só. Para mim, é triste ser uma ilha, mesmo que ela seja paradisíaca. Por isso, prefiro a pluralidade, que me faz sentir sujeito de desejo... E essa arte, em especial, é um caminho que venho construindo para cuidar da minha humanidade.

O rap, também foi, para mim, uma revolução por meio das palavras. O rap entrou na minha casa e alcançou a minha consciência. O rap me ganhou pelos ouvidos. O rap foi o meu primeiro “psicanalista”; com ele, apreendi a construir e a escutar as minhas palavras. Na adolescência, enquanto meu pai estava viajando a trabalho, no trecho, eu buscava no rap um pouco de colo: deitado na cama, chorando, com o fone de ouvido, até dormir mais tranquilo.

Quando acabava de escutar um rap, me sentia alimentado, forte, tipo: “Atitude, mano! Atitude, mina!”. Eu escutava a música e pensava: “Nossa, tem tudo a ver! Tudo a ver!”. E, de fato, para muitos jovens periféricos, o rap é uma forma de alimento, que nutre os sentidos, fortalece a existência e potencializa as ações. Eu fui percebendo que ouvir rap era muito mais do que ouvir uma música; era estar em uma aula musicada, que respeitava a minha cor, o meu cabelo, ou seja, o meu modo de ser.

Em diversos contextos, como na escola, na família e no trabalho, é comum ouvir: “A juventude não quer escutar”. Penso que, talvez, o problema não esteja na escuta, mas na qualidade do discurso e no modo como se fala. O rap fala diretamente com muitos jovens, usando a rima, o jogo de palavras, com refrãos que ficam cravados, ou com narrativas que proporcionam, de fato, a educação dos afetos.

O rap, por meio da palavra, segue pelo caminho da escuta para produzir subjetividades. O rap faz a palavra dançar, por isso é ritmo. Consequentemente, a palavra dançante subverte a ordem e a imaginação; por isso é poesia. Nessa trama, sem a escuta, o rap e a palavra ficam em questão. Refiro-me àquela escuta no sentido de não ter o ouvido como único canal de audição. Isto é, a escuta voltada para a leitura do corpo, da desobediência. Escutar não somente o ritmo das palavras, mas também do corpo poético e do mundo que o envolve.

Esses são alguns elementos que servem de base para a experiência periférica com o outro e com a vida cotidiana. Logo, é possível identificar aprendizados essenciais, como a sobrevivência, a humildade, a solidariedade, a desmistificação de que os sujeitos periféricos não são perigosos ou incapazes, o respeito, o diálogo. Esse debate é profundo. Mas, em particular, o rap me ensinou a decodificar as desigualdades, me ensinou a diferença entre teoria e prática, me ensinou que tenho o direito de reivindicar a vida, me ensinou que periferia não é somente uma condição geográfica e social, e sim um sentimento, e pulsante.

---

Texto apresentado na live do dia 08/08/20. Clique AQUI para assistir.

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Algumas Pistas sobre Grupos


Algumas Pistas sobre Grupos

Um grupo não se faz, apenas, por meio de um conjunto de pessoas.

Cada grupo tem o seu valor, a sua intencionalidade, constituição, dinâmica, intensidade e decomposição. Quer dizer, não é possível fechá-lo numa caixa; daquelas que a gente usa para guardar coisas pequenas...

O mundo é grupal, gente!

Porém, muitos se encontram sozinhos, mesmo estando rodeados de pessoas. Os grupos, então, contêm a sua potência subjetiva. Isto é, a questão não é somente quem faz parte, mas como o sujeito se sente ao fazer “parte”. Grupos que grupalizam, grupos grupalizados, grupos grupalizantes...

Vejam bem, é importante pensar que vivemos em diversos grupos e que, às vezes, não percebemos, sejam grupos presenciais, ou virtuais; são grupos. Há grupos constituídos por vínculos de sangue, nome, profissão, territorialidade. Outros são constituídos sem que sequer saibamos o nome de quem está sentado ao lado. Que grupo será esse?

Enfim, essas são algumas pistas; reflexões para que possamos construir outras pegadas, para que as palavras, nos ouvidos, não sejam engasgadas, e que as ações grupais, no cotidiano, não sejam embargadas... Resumindo, grupos carregam aquela plaquinha: “Em construção”...

---

Texto apresentado para os/as discentes da disciplina Oficina do trabalho profissional: instrumentalidade, estratégias grupais e socioterritoriais, do curso de Serviço Social - UNIFESP, campus Baixada Santista. Disciplina ministrada pelos/as docentes: Daniel Péricles Arruda, Gisele Aparecida Bovolenta e Luzia Fátima Baierl.

sábado, 1 de agosto de 2020

VI Congresso Internacional Transdisciplinar sobre a Criança e o Adolescente


VI Congresso Internacional Transdisciplinar sobre a Criança e o Adolescente
(29 de julho a 01 de agosto de 2020)

Data da atividade: 01/08/20, às 12h
Mesa redonda: Adolescência e Raça

Aproximações ao debate sobre o suicídio de adolescentes e jovens negros no Brasil 
Daniel Péricles Arruda.

Produções discursivas a partir do significante cor da pele e suas implicações na constituição do sujeito
Karla Mariana Fernandes Guimarães de Marchi, Selma Boaventura e Sérgio Lopes de Oliveira.

Construção da identidade da população negra
Lucélia Patrício da Silva e Mariana Negri.



sexta-feira, 31 de julho de 2020

VI Congresso Interdisciplinar e Transdisciplinar sobre a Criança e o Adolescente

Hoje, Júnia Silva da Costa e eu apresentamos o simpósio sobre Narrativas de Adolescentes em Contexto das Medidas Socioeducativas, no VI Congresso Interdisciplinar e Transdisciplinar sobre a Criança e o Adolescente, realizado pelo Instituto Langage (29/07/20 a 01/08/20).

(Clique na imagem para ampliá-la)
                                                 

quarta-feira, 22 de julho de 2020

Arte como Cuidado - UNIFESP

Salve, pessoal.

Nesta sexta-feira será realizada a última edição do projeto Arte como Cuidado.

(Clique na imagem para ampliá-la)

Clique AQUI para acessar a atividade.

quinta-feira, 16 de julho de 2020

O Retardatário - Vulgo Elemento (Videoclipe)




Vivências profissionais das oficinas de rap e poesia realizadas no Centro de Atendimento ao Adolescente (Cead), 𝐎 𝐑𝐞𝐭𝐚𝐫𝐝𝐚𝐭á𝐫𝐢𝐨 nasce da relação entre o trabalho de escuta de adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa e o filme Querô...

A composição e a interpretação apresentadas no videoclipe visam demonstrar algumas narrativas de adolescentes e jovens periféricos, bem como as indiferenças e invisibilidades que os fazem sentir retardatários nessa estrada sinuosa e conturbada que é a vida...

Assista o videoclipe AQUI.


quinta-feira, 9 de julho de 2020

Luto - Descanse em paz, amigo CAX


Luto
...

Descanse em paz, amigo Eduardo Ferreira (CAX – Considerado Ativista X)... Que a sua passagem seja tranquila... Que seus familiares e amigos sejam confortados...
...Em sua homenagem, tirei parte do dia para ouvir as suas músicas e relembrar algumas histórias...
CAX foi integrante do grupo de rap chamado Arezona... Com Everton Factor EF Arezona Inflamável, apresentou ao rap mineiro um som inovador, contagiante, com flow diferenciado e ideias críticas acerca dos sujeitos periféricos e seus desafios... Um estilo de som que envolve o público, por isso marcou uma geração e está gravado na história da cultura hip-hop de Minas Gerais.
Não somente pelas músicas, mas CAX deixa para mim a marca de um mano humilde, de linguagem simples e, ao mesmo tempo, potente... Era um mano que não se perdeu, diante do reconhecido talento...
Por isso, em respeito à sua memória e história, presto esta homenagem, convocando todos/as que estiverem lendo este texto a cantar o refrão de uma das músicas do grupo, diga-se de passagem, música que me arrepiava todas as vezes em que eu a ouvia:
“A-re-zo... Arezoonaaa.../ A-re-zo... Arezoonaaa.../”
Um salve, parceiro!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...